Sarau da Belvedere


À VENDA NAS PRINCIPAIS LIVRARIAS DE PORTUGAL!
 
 
SE UM VIAJANTE NUMA ESPANHA DE LORCA
Crónicas de Costumes, Quase Fábulas, Delírios, Carmen, Don Quixote y Alguma Inquietude
 
de Antonio Naud Júnior
Prefácio de Vicente Franz Cecim
Pé de Páginas Editores, 141 págs., 14 euros
www.pedepagina.pt
 
 
RESENHA CRÍTICA:
 
“Um discurso intimista e metafísico na senda do sentido da vida mas, realista nas reflexões sobre as contradições da  modernidade, através de uma escrita firme e sem tabus, explora de modo crítico a actualidade, a (homo)sexualidade, a política e a mística e natural “religiosidade silvestre”
 
(Mónica Maia, revista Os Meus Livros)
 
&&&&&&
 
“Obra definitivamente on the road, escancaradamente autobiográfica, desusadamente ousada. Cigano desnudo, Antonio Naud Júnior não nos brinda com um espetáculo de streapper, mas com um descobrir-se raras vezes engraçado, muitas vezes doído, mas sempre insolente, audacioso. Sem querer inspirar compaixão ou pieguice, o autor provoca, na dose certa, solidariedade e aplausos pela coragem de se mostrar”
 
(Antônio Lopes, jornal Agora)
 
&&&&&&&
 
“ O autor domina tão bem o seu transbordante cálice de vinho-verbo (denota isso de maneira tácita), que você caminha lado a lado com ele pelas paisagens invocadas, e capta as reflexões-vazantes de suas ponderações contra moinhos e ventos de erranças e iluminuras.  A mão do parágrafo, a página de rosto, a edição-Ser contando prumos e fungos. Bonitezas.”
 
(Silas Corrêa Leite, revista Agulha)
 
&&&&&&&
 
 “O escritor baiano Antonio Naud Júnior transformou o caminhar em um espelho. É nele que reflete a sua imagem e incorpora o viajante. Como descrito no hexagrama 56 do I Ching, aquele que não tem morada fixa e que fez da estrada seu lar. É oportuno, pois, que nos convide – leitores – a uma visita à sua morada, a viagem. E é isso que faz, sem cerimônia e com sinceridade desconcertante”
 
(Kátia Maccés, jornal A Tarde/Cultural)
 
&&&&&&&
 
“As franquezas do autor são de uma pureza tão sincera que, até seus absurdos comportamentais, tornam-se doces e deglutáveis como as melhores iguarias das cozinhas internacionais. Seu despojamento e nudez constante nos relatos das suas andanças fazem com que, como um imã, nos sugue para dentro dos fatos e, se não tivermos cuidado, participar dos atos.”
 
(Antônio Nunes de Souza, autor de “Vida Louca Vida”)
 
&&&&&&&
 
“Algo que se destaca na apreciação de Se um viajante... é a fuga. Não puramente o exílio, mas uma melancolia em tom sépia que impregna texto e imagem. Naud se levanta contra o capitalismo e na pessoalidade do relato descreve geografias que não se destinam exclusivamente ao turismo, trafegam nas margens da memória e colidem diretamente com o afeto – daí o sabor místico de algumas divações -, cobrando o prazer e a liberdade de seguir em frente feito um cigano, sob a máscara de Carmen ou Dom Quixote”
(Valdo Lima Trindade, revista Verbo 21)
 
&&&&&&&
 
“A escrita deste autor reveste-se  de interrogações existenciais, onde tenta construir a filosofia da humanidade através das suas próprias experiências. Não é esquecida a reflexão sobre as contradições do mundo moderno, impregnando os seus textos de actualidade, sensibilidade e realidade”
 
(João Vasco Almeida, revista Focus)
 



Escrito por Belvedere às 21h24
[ ] [ envie esta mensagem ]


Sugestão

Thiago de Mello

Antes que venham ventos e te levem
do peito o amor — este tão belo amor,
que deu grandeza e graça à tua vida —,
faze dele, agora, enquanto é tempo,
uma cidade eterna — e nela habita.

Uma cidade, sim. Edificada
nas nuvens, não — no chão por onde vais,
e alicerçada, fundo, nos teus dias,
de jeito assim que dentro dela caiba
o mundo inteiro: as árvores, as crianças,
o mar e o sol, a noite e os passarinhos,
e sobretudo caibas tu, inteiro:
o que te suja, o que te transfigura,
teus pecados mortais, tuas bravuras,
tudo afinal o que te faz viver
e mais o tudo que, vivendo, fazes.

Ventos do mundo sopram; quando sopram,
ai, vão varrendo, vão, vão carregando
e desfazendo tudo o que de humano
existe erguido e porventura grande,
mas frágil, mas finito como as dores,
porque ainda não ficando — qual bandeira
feita de sangue, sonho, barro e cântico —
no próprio coração da eternidade.
Pois de cântico e barro, sonho e sangue,
faze de teu amor uma cidade,
agora, enquanto é tempo.

Uma cidade
onde possas cantar quando o teu peito
parecer, a ti mesmo, ermo de cânticos;
onde posssas brincar sempre que as praças
que percorrias, dono de inocências,
já se mostrarem murchas, de gangorras
recobertas de musgo, ou quando as relvas
da vida, outrora suaves a teus pés,
brandas e verdes já não se vergarem
à brisa das manhãs.

Uma cidade
onde possas achar, rútila e doce,
a aurora que na treva dissipaste;
onde possas andar como uma criança
indiferente a rumos: os caminhos,
gêmeos todos ali, te levarão
a uma aventura só — macia, mansa —
e hás de ser sempre um homem caminhando
ao encontro da amada, a já bem-vinda
mas, porque amada, segue a cada instante
chegando — como noiva para as bodas.

Dono do amor, és servo. Pois é dele
que o teu destino flui, doce de mando:
A menos que este amor, conquanto grande,
seja incompleto. Falte-lhe talvez
um espaço, em teu chão, para cravar
os fundos alicerces da cidade.

Ai de um amor assim, vergado ao vínculo
de tão amargo fado: o de albatroz
nascido para inaugurar caminhos
no campo azul do céu e que, entretanto,
no momento de alçar-se para a viagem,
descobre, com terror, que não tem asas.

Ai de um pássaro assim, tão malfadado
a dissipar no campo exíguo e escuro
onde residem répteis: o que trouxe
no bico e na alma — para dar ao céu.

É tempo. Faze
tua cidade eterna, e nela habita:
antes que venham ventos, e te levem
do peito o amor — este tão belo amor
que dá grandeza e graça à tua vida.
 



Escrito por Belvedere às 19h19
[ ] [ envie esta mensagem ]


TEM RAZÃO, SENHOR PRESIDENTE !

Romeu Prisco

V. Excia., Senhor Presidente, está coberto de razão. Com efeito, os culpados  pela epidemia de febre aftosa que se abateu sobre parte do rebanho bovino são os seus proprietários. Principalmente aqueles que votaram em V. Excia., no seu partido e nos seus companheiros. O fato de o atual Governo Federal ter dado de ombros ao problema e cortado drasticamente a verba para resolvê-lo, nada tem a ver.

Esses proprietários são tão culpados como aqueles outros seus eleitores, que não tiraram e nem tiram o traseiro da cadeira para baixar os juros bancários. Enfim, Senhor Presidente, a culpa de todos os males que afligem o povo brasileiro é da sociedade. O que esta pode fazer para se redimir ? Já sei ! Não precisa responder. Basta reelegê-lo. Certo ? Dar-lhe mais quatro anos de mandato, para que V. Excia. complete o seu mister de nos ensinar como  nos livrarmos das maracubacas e urucutaias. Ôps, maracutaias e urucubacas.

Aliás, V. Excia. é especialista em urucubacologia, que, segundo a sua própria definição, estuda o grupo de pessoas empenhadas para que tudo dê errado. Lembra-se quando era Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e o então Presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, o eficiente Senhor Mario Amato, cansou de  convidá-lo para inauguração de projetos sociais de interesse dos trabalhadores, sem que V. Excia. se fizesse presente a uma sequer ?

Lembra-se quando, na mesma condição de sindicalista, V. Excia. e seus companheiros dificultavam ao máximo as negociações e os acordos salariais com as montadoras, fazendo exigências absurdas, como o fornecimento de papel higiênico acetinado aos funcionários ?! Lembra-se quando V. Excia. e seus companheiros diziam "niet" a tudo e a todos, como cansaram de fazer na oposição aos governos anteriores ?

Queixas do excesso de CPIs, de puxadas de tapetes e de julgamentos políticos ? Brincadeira tem hora, Senhor Presidente. Se não tivesse, V. Excia. já teria sofrido um solene "impeachment", por muito menos aplicado a Fernando Collor de Melo.



Escrito por Belvedere às 18h12
[ ] [ envie esta mensagem ]


Da eternidade

 

Antonio Mariano
 

a eternidade é feita de pássaros
que riem do vôo em falso
dos homens


planar além dos rochedos
é anoitecer
desinteressada perenidade


é não precisar de relógio
pra se descobrir presente


nem contemplar o passado
fez invisível do tempo


o que há de mais seguro
no alvará da incerteza
que levita?


o futuro tem asas
repete o poeta
timidamente
 

"Guarda-chuvas esquecidos", o terceiro livro de Antônio Mariano, é coletânea poética publicada pela Lamparina editora (RJ), com prefácio de Cláudio Daniel e orelhas de Fabrício Carpinejar.


 

 



Escrito por Belvedere às 22h43
[ ] [ envie esta mensagem ]


O poeta é semente. Não morre: desabrocha.

Por Vanderley Caixe ao companheiro poeta Nilson Mattos Pereira.

 

 

Poeta é semente,

É vida sempre presente,

Se morrer, é apenas ficção,

Ilusão da nossa imaginação,

De novo desabrocha em vida,

Repete a poesia vivida,

Na alma marcada e querida,

Na presença permanente,

No nosso coração.

 

Poeta e amigo Nilson Mattos Pereira,

Poeta presente,

Continuas vivo em verso e prosa

Entre nós, aflorando em poemas

A leveza de sua alma,

Onde as flores são eternas rosas.

 

Da vida foste a lição.

Do teu poema Egoísmo, a ressurreição,

Quando escrevestes:

Qual beija-flor, humano é egoísta
Negar a posse é sonho comunista”.

Permissivo, somente o teu grande coração.

Está entre nós, meu irmão.

 



Escrito por Belvedere às 11h28
[ ] [ envie esta mensagem ]


A POETISA BELVEDERE BRUNO
 
***|***
 
Uma escultora das letras
És a poesia das poesias
Sorriso de menina
Não é conto de fadas
É uma contista cronista
Moldas a vida
Sem medir esforço
Mulher!
Puramente de carne e osso...
 
Visão ao longe
Está contida em suas criações
Deus a fez perfeita
Para que não haja imperfeição.
Tão simples
Tão meiga
Tão tudo
Mas não fica em apuros...
 
Uma vida alegre
Encanto dos encantos
Soa teu canto
No próprio respirar
Dentre tuas belas escritas
Um livro com carinho
Pôs a me ofertar
E hoje aqui por isso tento
Caçando palavras não sei de onde
Você mulher de fibra poetizar...
 
Ontem uma menina
Sua boneca maltratada
Por um indivíduo irracional
Tuas lágrimas
Cachoeira fez virar
Mas hoje,
Mulher de fino porte
Até Arthur da Távola
Ousou de peito aberto entrevistar...
 
Belvedere Bruno
Contigo muito aprendo
Não sou poeta não sou cantor
Não sou repentista e nem trovador
Sou apenas  Eddyr o Guerreiro
Que escrevi isso tudo
Só pra te desejar
FELIZ ANIVERSÁRIO!...
 
<>|<>
 
Eddyr o Guerreiro
17 de outubro de 2005
Rio de Janeiro – 03:09



Escrito por Belvedere às 08h03
[ ] [ envie esta mensagem ]


Floradas
 
odeteronchibaltazar
 
Ando assim,
meio arredia nestes dias de sol,
escondida dos meus versos,
com medo de luz e de flores.
Tento escrever, mas qual!
As palavras ainda estão hibernando.
E eu querendo chuvas e floradas!
Em dias assim,
desisto nas primeiras linhas
e busco outros campos de inspiração que
minhas mãos carecem de criar e não podem
ficar assim, a brincar por brincar.
Abro imagens e crio meu mundo de formas e cores. 
E sonho que tudo são luzes
e teço fantasias
que tão bem me fazem
e acredito em eternos amores
e em dizeres 'para sempre'.
E nestes dias,
só não consigo sossegar as minhas dores que,
 em primaveras,
renascem.
 
 
 
 
 
 
 
 
 


Escrito por Belvedere às 23h20
[ ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico
15/10/2006 a 21/10/2006
10/09/2006 a 16/09/2006
03/09/2006 a 09/09/2006
27/08/2006 a 02/09/2006
20/08/2006 a 26/08/2006
13/08/2006 a 19/08/2006
06/08/2006 a 12/08/2006
25/06/2006 a 01/07/2006
18/06/2006 a 24/06/2006
11/06/2006 a 17/06/2006
04/06/2006 a 10/06/2006
28/05/2006 a 03/06/2006
21/05/2006 a 27/05/2006
14/05/2006 a 20/05/2006
07/05/2006 a 13/05/2006
30/04/2006 a 06/05/2006
23/04/2006 a 29/04/2006
09/04/2006 a 15/04/2006
02/04/2006 a 08/04/2006
26/03/2006 a 01/04/2006
19/03/2006 a 25/03/2006
12/03/2006 a 18/03/2006
05/03/2006 a 11/03/2006
26/02/2006 a 04/03/2006
19/02/2006 a 25/02/2006
12/02/2006 a 18/02/2006
05/02/2006 a 11/02/2006
29/01/2006 a 04/02/2006
22/01/2006 a 28/01/2006
15/01/2006 a 21/01/2006
08/01/2006 a 14/01/2006
01/01/2006 a 07/01/2006
25/12/2005 a 31/12/2005
18/12/2005 a 24/12/2005
11/12/2005 a 17/12/2005
04/12/2005 a 10/12/2005
27/11/2005 a 03/12/2005
20/11/2005 a 26/11/2005
13/11/2005 a 19/11/2005
06/11/2005 a 12/11/2005
30/10/2005 a 05/11/2005
23/10/2005 a 29/10/2005
16/10/2005 a 22/10/2005
09/10/2005 a 15/10/2005
02/10/2005 a 08/10/2005
25/09/2005 a 01/10/2005
18/09/2005 a 24/09/2005
11/09/2005 a 17/09/2005
04/09/2005 a 10/09/2005
28/08/2005 a 03/09/2005
21/08/2005 a 27/08/2005
14/08/2005 a 20/08/2005
07/08/2005 a 13/08/2005
31/07/2005 a 06/08/2005
24/07/2005 a 30/07/2005
17/07/2005 a 23/07/2005
10/07/2005 a 16/07/2005
03/07/2005 a 09/07/2005
05/06/2005 a 11/06/2005
22/05/2005 a 28/05/2005
15/05/2005 a 21/05/2005
08/05/2005 a 14/05/2005
01/05/2005 a 07/05/2005
24/04/2005 a 30/04/2005
17/04/2005 a 23/04/2005
10/04/2005 a 16/04/2005
27/03/2005 a 02/04/2005
20/03/2005 a 26/03/2005
13/03/2005 a 19/03/2005
06/03/2005 a 12/03/2005
27/02/2005 a 05/03/2005
20/02/2005 a 26/02/2005
13/02/2005 a 19/02/2005
06/02/2005 a 12/02/2005
30/01/2005 a 05/02/2005
23/01/2005 a 29/01/2005
16/01/2005 a 22/01/2005
09/01/2005 a 15/01/2005
02/01/2005 a 08/01/2005




Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis





O que é isto?